Buscar: Em:
Specialized Roubaix Expert UDi2
 

  
  
30/01/2017

Alguns meses atrás acompanhamos, a convite da Specialized, a apresentação das novidades da marca para 2017. Na ocasião,  pudemos pedalar um pouco um modelo ainda protótipo da Roubaix na pacata cidade de Morgan Hill (Califórnia), e todos os presentes ficaram entusiasmados com a novidade, apenas esperando a confirmação das versões de série e, claro, pedalá-las para conhecer melhor os detalhes. 


No Brasil, estão disponíveis seis versões da Roubaix e quatro da Ruby (modelo feminino da Roubaix), com preços a partir de 10.999 reais. O modelo Expert UDi2 é o modelo top 2 no País, atrás somente da S-Works eTap.


Roubaix é o modelo de endurance da Specialized, com um quadro de geometria mais confortável e concebida para enfrentar longos quilômetros em estradas duras. Porém, a marca desenvolveu novas soluções para mais conforto e suavidade, mas buscando percorrer o caminho em menor tempo. A versão feminina da Roubaix, a Ruby, segue os mesmo conceitos.


O modelo é totalmente novo. Esqueça os Zerts. A grande sacada foi que todos buscavam aprimorar o conforto ao ciclista desenvolvendo tecnologias e sistemas na parte traseira da bicicleta, mas ninguém quer uma mountain bike com um garfo rígido e traseira com amortecimento, certo? Na nova Roubaix, dos três pontos de contato do ciclista, dois têm sistemas de “amortecimento/conforto” – agora, apenas os pedais continuam trepidando! Brincadeira à parte, não estamos nos referindo apenas ao conforto.


 


CONCEITO - SUAVIDADE É VELOCIDADE


Normalmente, entendemos que conforto e velocidade estão em lados opostos. No entanto, a Specialized está comprovando o contrário, que “suavidade” é, de fato, “velocidade”, que é possível criar uma bike confortável e rápida.


Segundo a marca, o conceito é simples: “quanto mais confortável você estiver, menos cansado vai ficar – especialmente depois de um longo dia em um terreno acidentado. A longo prazo, isso também contribui na potência, mas descobrimos que um pedal mais suave também melhora sua capacidade de aplicar força constantemente. Conforme a suavidade aumenta e conforme sua força se torna mais constante, seu tempo melhora consideravelmente. Aumento na suavidade também afeta a tração, que resulta em melhorias na velocidade, conforme mantém os pneus mais aderentes ao chão. Isso não só confere uma vantagem óbvia em um clima inclemente, nas decidas e curvas, como também otimiza seu esforço”.


A Specialized trabalhou com a McLaren Applied Technologies para compreender verdadeiramente o significado de “suave”. Ao traduzir o modelo de testes de carros para uma bicicleta, foram capazes de quantificar a suavidade e de descobrir que era o momento de levar o conceito de suavidade para outro nível.


 


FUTURE SHOCK - A SOLUÇÃO


A suspensão dianteira, chamada de Future Shock, é o destaque. Segundo a própria marca: “essencialmente, é um pistão na caixa de direção com 20 milímetros de curso. Nós desenvolvemos esta tecnologia em parceria com a McLaren Applied Technologies, e o resultado é uma série de melhorias drásticas de desempenho no departamento de complacência vertical. Sem dar uma aula de física, descobrimos que o foco em complacência vertical, em vez da complacência horizontal do garfo, significava que poderíamos melhorar a suavidade, velocidade e conforto em uma só tacada. De todas as bikes que testamos com o nosso modelo de eficiência de rolagem, a nova Roubaix supera qualquer coisa no mercado”.


O Future Shock possui até 20 mm de curso e fica posicionado acima da caixa de direção, “isolando” o ciclista das irregularidades do piso. A bike se move, e não o ciclista, cujo posicionamento fica preservado. Rodas, garfo e quadro permanecem rígidos.


O sistema é simples e eficiente. É composto por um cartucho com rolamentos e três molas helicoidais, sendo uma intercambiável, para ajustar o amortecimento conforme a condição do piso. Vem com uma mola firme (40 “libras”, cor amarela,) e acompanha outras duas, uma mais “macia” (13 lbs, azul) e uma “média” (25 lbs, preta). A Ruby possui as mesmas molas, mas a standard é a “média”.


 


+ SUAVE, + RÁPIDA, + LEVE, + CONTROLE


Segundo a Specialized, é o quadro de estrada mais leve que já fizeram, e sem sacrificar nada. A geometria foi atualizada e está mais eficiente; e os níveis de rigidez vão além, mesmo em comparação com a SL4 do passado. Vale lembrar a permanência do Rider-First Engineered, tecnologia que assegura que todos os tamanhos de quadro tenham a mesma capacidade e qualidade. O quadro da Expert Di2 é em carbono FACT 10r.


A traseira foi desenvolvida para suavizar o impacto ressonante que viaja a partir da roda traseira para o selim e para manter a altura do assento consistente. Os seatstays agora encontram com o tubo do selim mais embaixo, e a região recebe a abraçadeira do canote do selim, permitindo muito mais flexibilidade do canote em carbono. Para entender melhor, note que na extremidade superior do tubo do selim há um guarda-pó, devido ao espaço gerado com aumento da seção do tubo do selim, que é bem maior que o diâmetro do canote do selim, permitindo o movimento deste último. E na parte superior do canote há um elastômero que complementa a flexibilidade do conjunto.


Já o garfo Roubaix Disc é construído em carbono FACT 11r, fibra de carbono top de linha, para rigidez suprema, resistência e reatividade, enquanto um eixo passante surge para reforçar as qualidades de todos os itens acima. 


Destaque também para o grupo Shimano Ultegra, com câmbio eletrônico Ultegra Di2 de 11 velocidades, freios hidráulicos a disco e rodas DT Swiss.


Alex Constâncio, nosso piloto de testes, Daniel Aliperti, que também colabora na Bike Action, tiveram a oportunidade de testar essa grande novidade. Confira suas impressões a seguir.


 


EM AÇÃO


“Tive a oportunidade de testar a nova Roubaix Expert UDi2 2017, que foi toda reformulada e recebeu um dos quadros mais leves da Specialized – a versão S-Works, por exemplo, o quadro pesa 900 gramas. E como não poderia ser diferente, inovou novamente.


Ela é realmente muito bela. As cores são discretas, mas a bike não. Tudo nela é diferente, não dá para não deixar de reparar os detalhes. Todos que a viram ficaram hipnotizados.


A suspensão dianteira fica na parte interna da espiga do garfo, isso mesmo, dentro da caixa de direção e logo abaixo da mesa. E faz realmente muita diferença. A absorção de impactos nas pequenas imperfeições do asfalto faz com que a transferência e trepidação para os braços do ciclista praticamente não existam mais. E isso é muito impressionante quando se trata de uma bike de performance de speed. Além de ter mais conforto nas ruas e estradas com pequenos buracos, remendos e até obstáculos maiores, ela continua agressiva e rígida, apresentando excelente aceleração e ótimo controle. A dirigibilidade é total.


Fizemos um test ride na região de Campos do Jordão, no Bike Park. Quem conhece o local sabe que para ir até a estrada é necessário passar por uma estradinha de terra, e aproveitei essa hora para comprovar todo o desenvolvimento tecnológico dessa Roubaix. Senti pouca trepidação, provocada pelas erosões e pedras soltas, e os pneus mais largos (26 mm) aumentam a estabilidade nas curvas, tornando a pilotagem muito fácil.


Entrei na estrada de asfalto e acelerei! E ela respondeu prontamente, sem deixar nada a desejar, nem nas curvas mais fechadas ou partes esburacadas em alta velocidade. Em todos os lugares ela continuou grudada no chão. Com muita velocidade e conforto. Impressionante! E com a bike grudada no chão, há maior tração e aumenta a confiança do piloto, nas irregularidades e nas curvas, o que significa maior velocidade. As imperfeições do asfalto são realmente absorvidas pelos 20 mm de curso do Future Shock. O proprietário recebe duas molas que podem substituir  uma que está instalada no cartucho. Portanto, são três opções de mola ao todo: rígida, média e suave, de acordo com as condições do piso. A bike testada estava com a mais suave instalada, e infelizmente não pude testar o comportamento com as demais.


A parte traseira da bike também recebeu mudanças, como na junção dos seatstays e abraçadeira do canote do selim em posição mais baixa. E com a área da seção do tubo do selim sendo bem maior que o diâmetro do canote, há um espaço para que o canote se movimente, aumentando o conforto do ciclista principalmente em longas distâncias.


Fiquei impressionado com a performance dessa bike. A ideia é ser suave, sem perder a rigidez. O piloto tem mais conforto e melhor performance, com melhor tração e estabilidade nas curvas e em descidas técnicas. E também nas subidas, sprints e manutenção da velocidade. Além disso tudo, é muito bonita. Enfim, simplesmente reinventaram um novo conceito de bikes de estrada. Essa eu quero pra mim!”, disparou Alex, sem cerimônia. 


“Ao olhar a Roubaix totalmente repaginada, me deparei com uma bicicleta que poderia até ter outro nome, pois sua identidade visual foi totalmente refeita em relação ao modelo anterior. Ela representa muito bem a modernidade, tanto visualmente quanto mecanicamente, e novamente será o “benchmark” para a categoria. A ideia de suspender o ciclista não é nova, mas a execução com a experiência e estilo Specialized, aliada ao auxílio da McLaren, é fenomenal. Vamos às modernidades.


Os freios são hidráulicos a disco. Apesar da resistência do pelotão profissional e do pequeno acréscimo em peso, não se discute sua superioridade funcional. Com os freios a disco vêm os eixos passantes, herança do MTB, com uma pequena penalidade na velocidade na troca de rodas, mas com eficiência importante na fixação das rodas.


Para manter o quadro compacto e dar espaço para o Future Shock, a Specialized reduziu a altura do tubo da caixa de direção, mas isso não alterou a proposta de um posicionamento mais relaxado para quem prefere rodar assim, com o tronco mais ereto. Um dos componentes que permite esse posicionamento é o guidão Hover, que tem sua barra reta próxima à mesa, elevada para manter um desnível entre o selim e o guidão não tão grande, permitindo um posicionamento confortável. É aí também que a nova Roubaix apresenta um recurso adicional. Se o ciclista preferir uma posição mais agressiva, é só trocar o guidão e suprimir alguns espaçadores. 


Outra característica que dá muita versatilidade ao modelo é o espaço do quadro para pneus mais volumosos, aceitando larguras de até 32 mm. E aproveitando esse detalhe da compatibilidade com pneus largos, as rodas podem ser usadas com pneus sem câmara, aumentando tração e conforto, com menos resistência ao rolamento, onde isso tudo for vantajoso. 


Completando o pacote de novidades, temos a caixa SWAT no centro do quadro. Se o proprietário decidir mantê-la, sempre terá à mão uma câmara, um tubo de CO2, espátula, ferramentas e até um clipe com dinheiro para emergência! 


Por último, temos a pedalada que reflete a ‘dupla personalidade’ do modelo: ao rodar sentado em piso ruim, a sensação é de flutuação, mas sem perda de eficiência; ao pedalar fora do selim, a primeira impressão é que o Future Shock poderia atrapalhar, mas posso afirmar que não, pois o sistema se mostra presente, com algum movimento, porém a adaptação é muito rápida. Depois, é só alegria! 


Veja bem, a bike não é o modelo ideal para vencer um Tour de France, mas tem potencial para quebrar diversos recordes pessoais no seu Strava, entregando um equilíbrio jamais visto entre performance e conforto”, conclui Daniel Aliperti.


 


bikeinfo


Chassi


Quadro: carbono FACT 10r, Endurance Geometry, Rider-First Engineered, 12x142 mm thru-axle, suspensão Future Shock, 20 mm de curso


garfo: Roubaix disc, carbono FACT 11r, 12x100 mm thru-axle


Suspensão traseira: nd


Cockpit


Freios: Shimano Ultegra, hidráulico a disco, pastilhas Ice-Tech


Guidão: Specialized Hover Expert Alloy, alumínio, fita S-Wrap Roubaix


Mesa: Specialized Pro SL, alumínio 


Selim: Phenom Expert GT, design Adaptive Edge, trilhos em titânio, 143 mm


CANOTE: Specialized CG-R, carbono FACT, 27,2 mm


PEDAIS: nd


rodas


Aros: DT Swiss R470 Disc, thru-axle, 2Bliss Ready


Pneus: Specialized Turbo Pro, 700x26 mm, 60 tpi, proteção BlackBelt


CUBos: DT Swiss Axis


transmissão


Pedivela: Shimano Ultegra Compact, coroas c/ 50/34 dentes


TROCADORES: Shimano R785 Di2, 11 velocidades


Câmbio Diant.: Shimano Ultegra Di2, brazed-on


Câmbio tras.: Shimano Ultegra Di2, long cage, 11 velocidades


Cassete: Shimano Ultegra, 11 velocidades, 11-32 dentes


plus


Tamanhos: 52, 54 (testado), 56 e 58 cm   


Garantia: vitalîcia para o quadro (1º dono) e um ano para componentes


Peso: 8.500 g 


Preço: R$ 32.990


 


contato: www.specialized.com/br/pt-br/

Fotos
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  

Deixe seu comentário sobre a notícia

Seu nome/apelido:
Seu comentário:
Digite o que você vê na imagem abaixo: *
   

 
Revista Dirt Action
Revista Moto Action